das coisas mais fixes que se pode trazer de uma ida à urgência de pediatria




Deu para muitas brincadeiras, incluindo sessão de fantoches, com batata-frita-pequena atrás da cadeira com o cão, a raposa e o gato.
Senhoras e senhores, o espetáculo vai começar! Desliguem os iphones e os ipads!!!

batata-frita-baby, a bebé exorcista

A nossa estimada rapariga de quase 1 ano anda a apurar a personalidade.
Eu bem que tinha um feeling que esta ía ser lixada. Algo me diz que vai dar luta, que vai ser dura de dar a volta.
Adiante, parece que aquele marco de crescimento espetacular que é a ansiedade de separação chegou um bocado tarde, mas chegou. E de que maneira. Instalou-se cá em casa. Ou melhor, nos meus tímpanos.
Toooooooodas as noites quando a deito tem chorado. Mas chorado a valer. Tipo bebé exorcista. Tipo, gritos e choro desenfreado.
Quando chego ao quarto na tentativa de a acalmar, cala-se por artes mágicas, deita-se e fica quieta. Se saio, levanta-se (parece que tem molas no rabo, juro) e começa outra vez.
E estamos nisto uma hora, com sorte, duas horas.
Durante o dia, se a ponho no chão e viro costas, vira exorcista outra vez.
Basicamente, deixá-la um segundo para me coçar é motivo para choro.
Batata-frita-pai teve uma epifania e sugeriu montar um espantalho com roupas minhas junto à cama dela (sim, ele estava a ser sincero; sim, eu divido a minha vida com este homem) e dei por mim a pensar nesta ideia por meio segundo.
Mas rapidamente relembrei que nestas cenas o meu homem é bem intencionado, mas não é lá muito iluminado.
Eu farto-me de atirar para o ar a ideia de xanax para toddlers e bebés (aqui, aqui, ou aqui...), mas ninguém me ouve.
Esta sim é uma ideia perfeitamente racional.
Enfim.

tenho 3 filhos

Hora de dormir.
Batata-frita-pequena já está no beliche, à minha espera e chama-me mãeeee mãeeee Ó MÃÃÃEEEE!!!
Chego lá e está por baixo do edredon.
Destapo-o.
Ele não está lá, é uma almofada a fazer de batata-frita-pequena.
E enquanto ainda estou a perceber que aquilo é uma almofada, salta batata-frita-pequena e batata-frita-pai-que-na-verdade-é-o-meu-filho-mais-velho da cama de cima e pregam-me um susto.
É por isto que não preciso do terceiro filho. Ele já existe!

batata-frita-mãe, a perder guarda-chuvas desde... sempre.

Tenho uma relação de amor/ódio com guarda-chuvas.
Eu adoro-os, adoro ter um guarda-chuva giro, mas é certinho que o perco.
De cada vez que lhes dou uso, deixo-os sempre em algum sítio. Na casa de alguém, num café, na escola dos meus filhos, numa estação de serviço, eu sei lá.
Já tive desgosto atrás de desgosto.
No último que tive, investi na qualidade. Era feio como tudo, mas espetacularmente forte. Não havia cá ventosga que o derrubasse. Era um guarda-chuva à prova de Hércules.
Deixei-o num café em Odivelas. E porque não voltar a essa bela localidade que é Odivelas, perguntam vocês. Nada contra, minha gente. Mas é que fica longe para caraças da minha área. A modos que parece-me algo idiota fazer kilómetros para recuperar um guarda-chuva de 15€.
Assim, e depois deste trágico episódio pelos subúrbios de Lisboa, jurei a mim própria nunca mais afeiçoar-me a guarda-chuvas. Fui ao chinês e comprei três. Muito feios. A 4€ cada.
Hoje é um bom dia para lhes dar uso.
E, provavelmente, perder mais um.

ter filhos agasta uma pessoa

A única altura do dia em que eu domino minimamente a minha televisão é ao final do dia, quando já não há ninguém aos pinotes para ver o Jake e os Piratas.

--

Acordo com a mais nova às CINCO E MEIA da manhã. Ponho-lhe a chupeta e adormece outra vez. Já eu, não consigo adormecer. Quer dizer, começo a entrar noutra dimensão passados uns 40 minutos, mas aí ela desperta outra vez, pelo que não vale a pena criar mais ilusões e render-me ao óbvio: não dormirás mais. Fazemos a nossa rotina matinal e quando finalmente a vou deitar para a sesta da manhã, acorda o mais velho. Saio de um turno e entro noutro.

--

E quando pensavas que a infância era um período encerrado na tua vida, voltas a ser criança. O teu filho pega-te os piolhos.

10 meses

E de repente estamos quase nos 12 meses.
E, também de repente, a bebé que sorria, fazia algumas gracinhas e pouco mais, saiu da toca.
É dançar, é palrar, é trepar por todo o lado. O ginásio dela já foi à vida, começou a colonizar o resto da sala num instante, pelo que nos rendemos ao óbvio: é deixá-la andar pelo chão.
Não gatinha, mas movimenta-se à maneira dela. Chega onde lhe interessa.
E se o irmão era um bebé/boneco bem comportado, ela é charmosa e tempestuosa.
Anda a dar-me outra vez trabalho com as sestas, mas acho que com o começo da escola as coisas podem melhorar.
Gosta de rambóia e de outros miúdos. Fica num mega excitex quando se vê fora de casa e é um trinta e um para a acalmar.
Adoro vê-la a crescer e anseio pelo Verão, em que conto andar a correr atrás da pançuda e do lingrinhas.